Valor no trabalho com a biodiversidade

Plantação no Piauí utilizando a técnica de permacultura
Plantação no Piauí utilizando a técnica de permacultura

Em 2013, o Nordeste brasileiro passava pela maior seca dos últimos 60 anos. Ainda assim, a Beraca viu, em Curimatá, no sul do Piauí, a perspectiva de apoiar o desenvolvimento da cidadania e, em uma localidade próxima, trabalhar com o buriti como um ingrediente. A cidade fica em uma região de Caatinga, com 10 mil habitantes, muita miséria e sem produção agrícola.

Para viabilizar a ideia, a Beraca contou com o apoio de uma multinacional norte-americana de cosméticos, que aportou US$ 60 mil para a construção de quatro poços artesianos no entorno da escola local, ao longo de dois anos. Junto com a Fundação Lamb Watchers e o Núcleo Cristão Cidadania e Vida, nascia ali o Pace (Piauí – Água, Cidadania e Ensino). Além de fornecer água potável à comunidade local, o projeto promoveu a reforma da escola e iniciou um projeto de geração de renda.

O modelo escolhido foi o sistema de permacultura de agricultura orgânica para produção de alimentos e criação de peixes e aves em formato de mandala.
A técnica adota círculos concêntricos ao redor de um pequeno tanque de água que faz a irrigação para o cultivo de vegetais como abóbora, milho, agrião e outras hortaliças interessantes para o comércio local.

A implementação do Pace demonstra o modo de trabalhar do Grupo Sabará, engajando parceiros e os diversos atores de sua cadeia de produção em torno de um negócio que traz benefícios para todos os envolvidos, tendo a sustentabilidade como valor transversal.

Cadeia Sustentável

O Grupo tem investido no aperfeiçoamento da sua cadeia de produção com objetivo de que ela seja circular, usando o conceito de “do berço ao berço”. Esse conceito é muito usado em reciclagem, onde o resíduo, em vez de ser o fim da cadeia, é o princípio de um novo ciclo, e tem inspirado as soluções desenvolvidas pelo Grupo em sustentabilidade. Nossas matérias-primas são produzidas pelas comunidades e distribuídas para a indústria em diversos países. Incentivamos os clientes a conduzir projetos de retorno à floresta e de devolução à comunidade. Dessa maneira, o Grupo promove o retorno à base da cadeia produtiva, o que torna essas comunidades cada vez mais empoderadas, criando um ciclo benéfico.

COMO FUNCIONA
Com o retorno à base da cadeia produtiva, ela se torna circular

COMUNIDADES FORNECEDORAS

Agricultores e extrativistas na região amazônica, no Nordeste e no Sudeste do país. As famílias são beneficiadas com trabalho e geração de renda por meio de práticas sustentáveis, enquanto as áreas de floresta são conservadas por influência da atuação da empresa.

MATÉRIA-PRIMA E REFINO

A partir dos insumos extraídos pelas comunidades, óleos e outros ingredientes são refinados para a Beraca e Concepta. Essa etapa é realizada tanto em unidades do Grupo quanto nas próprias comunidades, aumentando o valor agregado ao produto que eles fornecem.

INOVAÇÃO

Nas unidades do Grupo, são realizadas pesquisas relacionadas à biodiversidade e projetos de desenvolvimento de novos produtos a partir de matérias-primas naturais.

DISTRIBUIÇÃO NACIONAL E INTERNACIONAL

Por meio de uma estrutura de logística robusta, os produtos alcançam clientes tanto no Brasil quanto no exterior.

CLIENTES

Esses insumos são utilizados por fabricantes de cosméticos, alimentos e produtos de pet-care. Graças ao rastreio de toda a cadeia de fornecimento, esses clientes podem agregar valor aos seus produtos em linhas exclusivas baseadas em insumos da biodiversidade brasileira.

PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO

O Grupo incentiva e promove acordos com seus clientes e agências de desenvolvimento para a realização em conjunto de projetos nas comunidades fornecedoras, garantindo o retorno à base da cadeia produtiva.

We bridge

Em 2015, a Beraca lançou a campanha global de comunicação We Bridge, que ilustra as atividades que compõem os negócios da empresa, destacando como as redes de conexões são capazes de beneficiar todos de forma positiva e resultam em um mercado de bem-estar com produtos finais de alta qualidade e valor agregado. O objetivo é mostrar que o Grupo é capaz de, por meio do Programa de Valorização da Sociobiodiversidade®, agir como uma ponte entre mais de cem comunidades agroextrativistas espalhadas pelo Brasil e os principais fabricantes mundiais de cosméticos, para conectar a biodiversidade brasileira a milhares de consumidores por meio de uma relação de transparência, rastreabilidade e inovação.

Tecnologia e Inovação

No triênio, o Grupo investiu em média 2,6% do seu faturamento por ano em inovação e tecnologia para estudar o comportamento do público, desenvolver testes de eficácia e desenvolvimento de novos ativos.

PARCERIA EM PESQUISA E GERAÇÃO DE VALOR

Em parceria com duas universidades de ponta, uma no Brasil e outra nos Estados Unidos, o Grupo vem realizando pesquisa de campo em comunidades de diferentes biomas. O tema foi mensurar os impactos causados pelo Grupo ao investir e incentivar uma atividade sustentável em detrimento de outras com externalidades negativas. Foram pesquisadas diversas cadeias de produção de sementes oleaginosas como andiroba, buriti, murumuru, pracaxi, tucumã e ucuúba obtidas através da atividade de extrativismo. São produtos florestais não madeireiros (PFNM) utilizados como insumos na indústria de cosméticos.

O trabalho acadêmico também investigou o impacto da atividade extrativista na geração de renda, desenvolvimento local e externalidades ambientais locais causadas por incentivos de mercado e as sinergias que ocorrem entre as diferentes atividades geradoras de renda (agricultura e extração). A hipótese desse trabalho é que é possível ir além do trade-off entre os ganhos de bem-estar e a preservação do meio ambiente e, assim, contribuir para o uso racional dos chamados recursos de uso comum (RUCs). Quatro pesquisas de campo foram executadas em 2014 (janeiro, março, julho e dezembro) em três diferentes municípios no estado do Pará e em um no Piauí. Dados quantitativos e qualitativos foram coletados por meio de questionários semiestruturados aplicados junto às comunidades locais.

Entre as conclusões, está o cálculo de que, para cada R$ 1,6 investido na coleta de sementes em uma comunidade no norte de Breves (PA), há uma redução de R$ 4,5 na atividade de serraria. O estudo mostrou que o incentivo de mercado à procura pelos insumos da biodiversidade brasileira e à coleta de sementes é muito eficiente em diminuir a prestação de serviços em serrarias clandestinas. Nessa lógica, o trabalho do Programa torna os frutos mais valiosos do que a extração de madeira. A conservação de ecossistemas é uma externalidade positiva, uma vez que há menor erosão, desertificação, migração de fauna, elevação da temperatura, entre diversos benefícios que impactam na qualidade e disponibilidade da água ao manter seu entorno protegido. [G4-EN13]

O Grupo investe também no desenvolvimento de produtos a partir do supercrítico. Trata-se de um processo de extração de princípios ativos, em que o gás carbônico é dissolvido e usado como solvente. É uma tecnologia nova e que tem avançado como alternativa para as técnicas tradicionais de extração de produtos naturais. Os resultados são de alta qualidade, além de não causar danos ambientais. Sua aplicação em biodiversidade gerará novos produtos e insumos. A empresa pretende continuar avançando em pesquisa de impacto nos próximos anos.

O Grupo Sabará investe em sua cadeia sustentável, incentivando seus clientes a conduzir projetos de retorno à base produtiva, criando um ciclo benéfico

Vanessa Bumbeers